Iní­cio | 01 | 02 | 03 | 04 | 05 | 06 | 07 | 08 | 08 | 09 | 10 | 11


Definir a origem da família a partir do estudo do sobrenome é algo que necessita análise mais pormenorizada, muito mais do que as especulações que aqui faço. Mas apresento algumas probabilidades. Itália Primeiro um comentário sobre a semelhança entre Durigan, Dorigan, Durigon, Dorigon, Dorigo, Durigo e Doriga. Via de regra se atribui tais diferenças aos cartorários brasileiros. Mas isto é um erro. Essas grafias já existiam na Itália, o que se comprova facilmente. Além disso, devido à caligrafia dos oficiais de registro civil italianos (além dos registros em paróquias), houve confusão, especialmente entre Durigan e Durigon. O "a" final muitas vezes se confunde com "o". Vejam que Ernesto Fedele aparece na lista de leva (é a lista dos que serviram ou deviam servir o exército) de Treviso como "Ernesto Durigon", ao passo que seus documentos apresentam a grafia "Durigan". Aliás, na lista de leva também outros Durigan estão listados como "Durigon". Os mais antigo ascendente que localizei foi Stefano Durigan, casado com Prudenza Calcagnoto, que nasceu por volta de 1742 e viveu em Giavera del Montello. Assim, sem nenhuma dúvida, a Itália é o berço dos Durigan, ao menos até essa data. No entanto, tudo isso não quer dizer que essas grafias representem famílias de origem diversa. Ao contrário, as pesquisas revelaram um certo deslocamento da origem na direção de Volpago dell Montello: e ali, em Volpago, há tanto Durigan, como Dorigo, como Durigon, o que indica que nessas famílias tenham uma origem comum. Quanto à origem italiana do nome, há várias possibilidades. Vejam a seguir.
Durigo Famiglia oriunda da Peio nel Trentino, passata poi a Bianzone in Valtellina. Con diploma dato a Vienna il 20 novembre 1667 dall'imperatore Leopoldo I ottenne il titolo di nobile del Sacro Romano Impero (maschi e femmine), titolo concesso ad Antonio di Bartolomeo, celebre architetto civile e militare. Antonio sposò la nobile Elisabetta Casanova, e ne ebbe Giovanni Battista. Da Giovanni Battista e dalla nobile Isabella Quadrio di Chiuro, sua moglie
Dorighi, assolutamente rarissimo, parrebbe del trentino, Dorigo è tipico del Veneto orientale e della Venezia Giulia, Dorigone, quasi unico, è probabilmente dovuto ad errori di trascrizione di Dorigoni, che sembra essere specifico di Civezzano (TN) e della limitrofa Trento, dovrebbero derivare dalla modificazione dialettale del nome Odorico o del suo accrescitivo, l'uso di questo nome è documentato a Gemona (UD) già nel 1400 dove troviamo un tal Dorigo de la Marina. Doriguzzi è tipico del Cadore, Dorizzi è specifico di Verona e del veronese, Durighetto, quasi unico, è del trevigiano, dovrebbero derivare da variazioni dialettali dell'aferesi di vezzeggiativi del nome Odorico. Molto molto raro è tipico del savonese, dovrebbe derivare dal nome settecentesco Dorindo, si ricordi ad esempio che Dorindo è anche uno dei personaggi de il Negligente uno dei Drammi per musica di Goldoni. Tipico di Padova e dintorni, potrebbe derivare dal nome Dorio, ricordiamo un certo vicedomino Dorio Peterlino citato in un atto della Repubblica di Venezia del 1581, ma è pure possibile una derivazione dal nome Orio (vedi Orio).
Prefiro esta aqui: La Famiglia Doriga Viveva a Casamazzagno la famiglia Doriga, una delle più agiate del Comune, chiara specialmente pegli uomini distinti che ha dati alla pubblica amministrazione. Il più antico che si conosca di questa famiglia è un Giovanni che in un documento del 14 ottobre 1482 è detto di Duriga espressione che volgarmente può significare che egli fosse figlio di uma Odorica e il ceppo o uno dei ceppi della famiglia. In detto giorno insieme con Marco di Portogruaro Vicario di Cadore e Antonio Monaci di Pieve, con sentenza arbitramentale, Giovanni determina i confini tra il monte Bajon e quello di Sovergna, su cui fra i rispettivi proprietarii Domegge e Lozzo pendevano delle differenze. Contemporanei a Giovanni vivevano un Giacomo e un Bartolomeo Doriga, probabilmente ter fratelli, perché formavano una sola famiglia, come una sola famiglia Doriga è sempre esistita anche in seguito fino all'estinzione della sua linea mascolina, e i quali forse sono stati i primi cosi cognominati dal nome della loro madre. In una serie che ho sotto gli occhi dei Marighi di Candide e che comincia nel 1188 e viene innanzi sino alla fine del periodo veneto, figurano nel corso di men che un secolo e mezzo nove nomi di questa famiglia, cioè: Giovanni (il suddetto) nel 1482-83 omissis Giacomo nel 1599, poi nel 1605, poi nel 1614, e per la quarta volta nel 1617. Giacomo, morto nel 1623, e nel quale si estinse la linea mascolina della famiglia, ebbe due figlie di cui la maggiore Maria, sposò (14 luglio 1605) Valentino Gera ...omissis... , figlio di Vittore q. Leonardo Gera e di Giulia Soldano, il quale separatosi dal padre e accasatosi presso la moglie in Casamazzagno trasmise il proprio titolo gentilizio unito a quello della loro madre ai suoi discendenti che dunque cognominaronsi Gera - Doriga. Da "La villa di Gera in Cadore e le famiglie Vettori, Gera e Gera-Doriga" -memorie raccolte e pubblicate da D.Pietro Da Ronco- Udine - premiata tipografia del patronato - 1905 NB: In questo libro io ho detto che il più vecchio che si conosca della famiglia Doriga di Casamazzagno, è un Giovanni vissuto nel 15° secolo e che negli anni 1482-83 fu Marigo di Candide. Ho soggiunto che nei vecchi documenti è detto "Giovanni di Duriga" espressione che volgarmente può significare che egli fosse figlio di una "Odorica" e il ceppo o uno dei ceppi della famiglia. Osservo però che una Odorica di Casamazzagno ( "Odorica de Casamazaj" ) morì avanti il 6 maggio 1341, nel qual giorno un Tomaso del paese medesimo dichiarò che la defunta aveva legato alla chiesa di S. Maria di Candide un prato giacente nella località Pallepiane. Ora niente vieta di credere che costei sia l'autrice del cognome Doriga forma dialettale cadorina del nome Odorica. Da manoscritto n°271 del Da Ronco (Biblioteca Storica Cadorina - Vigo di C.) NB: Sempre secondo il Da Ronco, la linea retta mascolina dei Gera - Doriga si estinse colla morte di un Antonio figlio di Giambattista, nato nel 1691 e morto intorno al 1745. Per notizie sulla genesi della famiglia Gera, vedi cognomi originari di Candide (nota GRC)
E como traduzo (rapidamente, sem muito cuidado):
A Família Doriga
A família Doriga vivia em Casamazzagno, sendo uma das mais ricas da Comune, dado especialmente aos homens distintos que pertenceram à administração pública.
O que de mais antigo se conhece dessa família é alguém chamado Giovanni que em um documento de 14 de outubro de 1482 disse ser dos Duriga, expressão que vulgarmente pode significar que era filho de uma Odorica e a origem ou uma das origens da família.
Nesse dia, juntamente com Marco de Portogruaro, vigário de Cadore e Antonio, mônaco de Pieve, através de sentença arbitral, Giovanni fixou os limites entre os montes Bajon e de Sovergna, sobre os quais os respectivos proprietários, Domegge e Lozzo, tinham controvérsias.
Na mesma época de Giovanni viveu um Bartolomeo Doriga, provavelmente irmão, porque formavam uma mesma família, da mesma forma como uma única família Doriga sempre existiu até a extinção da linhagem masculina, e que foram os primeiros assim denominados pelo nome de sua mãe.
Em uma série que pode ser vista pelos Marighi di Candide (marigo=chefe, prefeito no regime feudal) e que começa em 1188 e vai até o fim do período vêneto, figuram no curso um século e meio nove nomes desta família, isto é:

Giovanni (acima mencionado) nos anos 1482-83
...omissis...
Giacomo no ano de 1599, depois em 1605, depois em 1614, e pela quarta vez em 1617.
Giacomo, que faleceu em 1623, e através do qual se extingue a linha masculina da família, teve duas filhas das quais a mais velha, Maria, casou-se em 14 de julho de 1605 com Valentino Gera ...omissis... , filho de Vittore q. Leonardo Gera e de Giulia Soldano, a qual desligando-se do pai e casando-se conforme as mulheres de Casamazzagno, trasmitiu o seu particular título gentílico unido ao de sua mãe aos seus descendentes, os quais, portanto, vieram a denominar-se Gera - Doriga.
Da "A Casa dos Gera em Cadore e a familia Vettori, Gera e Gera-Doriga" - memória pesquisada e publicada por D.Pietro Da Ronco- Udine -tipografia premiada do patronato - 1905

NB: Nesse livro eu disse que a pessoa mais antiga que se conhece da familia Doriga de Casamazzagno, é alguém chamado Giovanni, que viveu no Séc. 15° e que nos anos 1482-83 foi marigo (*veja acima) de Candide.
Acrescentei que nos velhos documentos está a expressão "Giovanni di Duriga", que vulgarmente pode significar que ele fosse filho de "Odorica" e a origem ou uma das origens da família.
Observo que uma Odorica de Casamazzagno ( "Odorica de Casamazaj" ) morreu depois de 6 de maio de 1341, dia em que um Tomaso del paese medesimo declarou que a defunta havia deixado para a igreja de S. Maria de Candide um prado não vendido na localidade de Pallepiane.
Ora, nada impede de crer que esta mulher seja a autora do sobrenome Doriga, forma dialética cadorina do nome Odorica.
Do manuscrito n°271 do Da Ronco (Biblioteca Storica Cadorina - Vigo di C.)
NB: De acordo com Da Ronco, a linhagem reta masculina dos Gera - Doriga se extinguiu com a morte de Antonio, filho de Giambattista, nascido em 1691, falecido por volta de 1745. Para informações acerca da família Gera, veja os sobrenomes originários de Candide (nota GRC)

Os dados foram indicados pela estudiosa de genealogia, Fani Reis.
A hipótese acima é corroborada pela análise a seguir, feita por Jucelly Lottin para o sobrenome Dorigon: Sobre Dorigon: Sobrenome inexistente na Itália atual, clara alteração gráfica de Durigon que por sua vez é um sobrenome bastante freqüente e típico do norte da Itália, derivado de Durigo, variante gráfica de Dorigo, mediante o acréscimo da desinência -one, indicativa de aumentativo ou de distinção, na forma truncada -on, própria dos falares regionais setentrionais. Suas origens etimológicas remontam ao nome próprio germânico Audharik, formado de audha, riqueza, poder, posse, e de rikia, rico, poderoso, dono, com o sentido de poderoso pelas posses, rico de bens. Latinizado em Audaricus, Oldoricus, Odolricus, Odoricus, evoluiu para o italiano Odorico e, nas áreas setentrionais, também para Odorigo que se reduz a Dorigo. Atualmente na Itália encontra-se o sobrenome Durigon em 106 municípios, concentrando-se sobretudo nas seguintes regiões: Vêneto e Friuli-Venécia Júlia.
A esse respeito também encontrei o estudo de Bruno de Martin, considerando análises anteriores de Pietro da Ronco sobre a família Gera, onde há muitas citações de "Dorigos". Veja aqui
Há algumas especulações, as quais cito mais como curiosidade. França Alguns cogitam que o sobrenome aparenta ser francês. De fato há membros da família na França. Mas isso provavelmente deve-se à imigração. Os franceses ingressaram no Veneto em 1797, que antes estava sob controle de Veneza. No entanto tenho documentos comprovando que Stefano Durigan residia em Giavera em 1742. Irlanda Há muitos Durigan na Irlanda e inúmeros deles emigraram pelo mundo, especialmente para os Estados Unidos. Em boa parte devido à Grande Fome (1845-1849). É uma hipótese que não posso descartar pelos dados que tenho, mas que me parece improvável. Entendo que são duas famílias distintas. Espanha Não vi nenhuma relação entre a família Doriga da Espanha e a italiana. Mas fica aqui a menção. Veja-se o palácio dos Doriga.




Já quanto ao escudo de família há um aqui.